Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 18/03/09

Uma drástica mudança climática como o degelo da Groenlândia ou a morte da Amazônia tem mais de 50 por cento de probabilidade de ocorrer até o ano 2200, caso seja registrado um forte aquecimento global, de acordo com cientistas.

A pesquisa, que ouviu 52 especialistas, examina cenários cem anos além da maioria das previsões, e também revela temores de que um aquecimento de longo prazo desencadeie mudanças radicais, como a desintegração da camada de gelo do oeste da Antártida, elevando o nível global dos mares.

"Há preocupação com os riscos de enormes mudanças no sistema climático", disse Elmar Kriegler, do Instituto Potsdam para a Pesquisa do Impacto Climático, principal autor do estudo divulgado na revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences.

Grandes mudanças, ou "pontos de virada", podem incluir também a desaceleração da corrente quente do Golfo do México, que atualmente mantém a Europa aquecida. Esses fatos em geral são considerados improváveis ou alarmistas.

Mas a pesquisa divulgada na noite de segunda-feira (16) mostra que importantes especialistas, quando consultados, admitem que há uma chance em seis de que pelo menos um desses incidentes tenha lugar por causa de um aumento moderado da temperatura, entre 2 e 4 graus Celsius, entre 2000 e 2200.

Mas, se a elevação for de 4 a 8 graus Celsius, as chances da ocorrência de pelo menos um "ponto de virada" atingiria 56 por cento.

"O estudo mostra que alguns desses eventos não são considerados de baixa probabilidade", disse Kriegler à Reuters.

Ele disse que a pesquisa, que envolveu também colegas da Alemanha e Grã-Bretanha, é importante para as autoridades porque qualquer das mudanças climáticas avaliadas teria profundo impacto econômico.

"Os resultados da pesquisa fornecem mais provas da necessidade de uma proteção climática ambiciosa a fim de minimizar os riscos de consequências abrangentes para todo o nosso planeta", disse em nota Hans Joachim Schellnhuber, diretor do Instituto Potsdam e um dos autores.

O mais provável dos cinco incidentes climáticos até 2200 seria um longo degelo da Groenlândia, que deixaria a ilha praticamente sem gelo. A Groenlândia contém água suficiente para elevar o nível do mar do mundo todo em 7 metros, caso todo o gelo derreta.

O segundo evento mais provável seria o desaparecimento de enormes pedaços da Amazônia, resultado do clima mais seco, e em seguida o início da desintegração da camada antártica de gelo, o que poderia elevar o nível dos mares em 5 metros.

Os outros dois eventos citados - mas considerados menos prováveis - são o colapso do sistema de correntes do Atlântico, o que inclui a Corrente do Golfo, e a perpetuação do fenômeno El Niño (aquecimento das águas do Pacífico).

Fonte: Estadão Online

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°