Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 05/06/12

Cientistas da Finlândia e da Universidade de Oxford, no Reino Unido, verificaram que nos últimos 30 e 40 anos aumentou a ocupação de plantas e arbustos na região da tundra Ártica devido às temperaturas mais altas na região.

A modificação da paisagem, que fica próxima ao Polo Norte, já seria resultado da mudança climática global aponta estudo publicado neste domingo (3) na revista “Nature Climate Change”.

A tundra abrange uma área entre a Escandinávia, Sibéria, Alasca, Groenlândia e Canadá. Recebe pouca luz e pouca chuva, apresentando um clima polar, frio e seco. Por conta disso, o solo permanece gelado e coberto de neve durante a maior parte do ano, a vegetação é rasteira e não possui árvores. Até agora.

Os pesquisadores analisaram uma área de 100 mil km², utilizando imagens de satélitem trabalho de campo e observações trazidas por pastores de renas. Com isso, encontraram salgueiros e algumas plantas do gênero alnus que cresceram e atingiram mais de dois metros de altura nas últimas quatro décadas. Essa vegetação ocuparia até 15% do bioma.

“É uma grande surpresa que estas plantas estejam reagindo desta maneira”, afirmou Marc Macias-Fauria, da Universidade de Oxford e principal autor do relatório. Ele afirma ainda que os cientistas haviam pensado que a ocupação do Ártico com o aquecimento global levaria séculos.

“Mas o que encontramos é que os arbustos que já estão lá, se transformando em árvores em apenas algumas poucas décadas”. Macias-Fauria afirmou ainda que a área pesquisada é uma pequena parte da vasta tundra ártica, que já é mais quente que o resto do Ártico, provavelmente devido à influência de ar quente vindo da corrente do Golfo.

“Contudo, esta região parece antecipar o resto do bioma. Nos mostra o que provavelmente vai acontecer com o resto do Ártico num futuro próximo se estas tendências de aquecimento continuarem.”

Temperatura mais alta – Estudos anteriores sugeriram que o avanço da floresta sobre a tundra do Ártico poderia aumentar o aquecimento do Ártico em 1 a 2 graus Celsius adicionais até o fim deste século.

O aquecimento no Ártico está acontecendo cerca de duas vezes mais rápido do que no resto do mundo. Com a neve que reflete o calor e o gelo retrocedendo, cresce a superfície coberta com terra ou água, que têm cor mais escura e, portanto, absorvem mais do calor do sol.

O mesmo ocorre quando árvores são tão altas que encobrem a neve, apresentando uma superfície mais escura, que absorve a luz. Um maior aquecimento no Ártico deve estimular a exploração de petróleo e gás, assim como atrair rebanhos de renas à procura de arbustos de salgueiro.

Mas um planeta em aquecimento também está ligado a acentuação de secas severas e enchentes pelo mundo, colocando em risco pessoas, assim como as produções agrícola e pecuária.

A temperatura média global em 2011 foi a 9ª maior já registrada na meteorologia moderna. A elevação estaria ligada a uma maior emissão de gases de efeito estufa, como o dióxido de carbono (CO2).

Levantamento da Agência Internacional da Energia (AIE) divulgado em maio apontou que a queima de combustível fóssil foi responsável por causar emissões recordes em 2011 – 31,6 bilhões de toneladas, aumento de 3,2% em relação a 2010.

Fonte: G1

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°