Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 18/08/14
As baleias-minke-antárticas participam de um frenesi alimentar subaquático, enchendo suas enormes bocas até 100 vezes por hora enquanto engolem quilos e quilos de krill (crustáceo similar ao camarão), durante o verão, revelou uma nova pesquisa publicada nesta sexta-feira.


A Divisão Antártica Australiana revelou que esta foi a primeira vez que se registrou este comportamento alimentar dos animais debaixo do gelo marinho e o ritmo frenético da atividade foi inesperado.

“Ficamos realmente surpresos”, explicou à AFP o chefe científico da divisão, Nick Gales.

“Foi incrível realmente testemunhar e ver o incrível número (de botes na comida) e a forma inteligente como conseguiram usar seu comportamento para explorar o krill debaixo do gelo marinho”, acrescentou.

Como outras baleias, as minke avançam com suas bocas escancaradas para coletar a comida, capturando um enorme volume d’água que expelem posteriormente, enquanto mantêm os peixes dentro.

Enquanto a enorme baleia-azul faz apenas duas ou três destas investidas durante um mergulho para pescar, a minke, bem menor, pode repetir o procedimento mais de 20 vezes, às vezes com intervalos de 30 segundos.

“É bem difícil viver na Antártica, capturar uma presa e quando estes caras encontram a sua, trabalham incrivelmente duro”, disse Gales.

Os registros foram possíveis graças a marcadores de satélite, instalados por cientistas australianos e americanos nos animais na costa oeste da Península Antártica, em 2013.

Os marcadores mediram a orientação, a profundidade e a aceleração das baleias, disse Gales, acrescentando que o estudo também revelou que o comprimento da minke, de cerca de 9 metros, permite a ela ter acesso sob o gelo a áreas que a baleia-azul, bem maior, não consegue chegar.

“A presa favorita da minke, o krill antártico, se agrega sob o gelo marinho e atrai as baleias para o local, causando estes frenesis alimentares”, acrescentou Gales em um comunicado.

“Qualquer mudança futura no gelo marinho tem o potencial de impactar os hábitos alimentares das baleias-minke”, disse.

Fonte: Terra

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°