Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 26/06/15

Algumas espécies de corais são melhores na adaptação às alterações climáticas do que outras, e elas podem ser capazes de passar seu DNA resistente para a próxima geração, disse que um estudo publicado nesta quinta-feira (25).

Os recifes de coral estão declinando rapidamente em muitas partes do mundo devido à poluição, aquecimento dos mares, doenças e tempestades. Mas as descobertas da revista Science sugerem que estes animais do chão oceânico podem ser mais resistentes do que se acreditava anteriormente, e que os esforços de conservação direcionados poderiam ajudá-los a se recuperar.

Pesquisadores na Austrália cruzaram amostras de um tipo de ramificação de coral conhecido como ‘Acropora millepora‘ partir de dois locais diferentes a 500 quilômetros de distância um do outro.

Alguns vieram da baía Princesa Charlotte, uma área mais quente da Grande Barreira de Corais, que é mais perto do Equador.

Outros vieram da Orpheus Island, cerca de cinco graus de latitude ao sul, onde as águas são cerca de dois graus Celsius mais frias.

Quando os pesquisadores cruzaram os dois, descobriram que aqueles com pais que vieram de águas mais quentes tiveram 10 vezes mais probabilidades de sobreviver sob estresse térmico do que aqueles que eram nativos de águas mais frias, o que sugere que os animais “tinham alguma resiliência natural em sua composição genética”.

“Nossa pesquisa descobriu que os corais não têm que esperar por novas mutações para aparecer”, disse o co-autor Mikhail Matz, professor associado de biologia integrativa da Universidade do Texas em Austin.

“Evitar a extinção dos corais pode começar com algo tão simples como uma troca de corais imigrantes para espalhar variantes genéticas já existentes”.

Conservacionistas em todo o mundo já estão trabalhando em crescer os corais em viveiros submarinos e transplantar os corais para lugares diferentes.

Mas alguns mostraram preocupação de que muita interferência humana no plantio de novos recifes de corais poderia introduzir doenças ou prejudicar o ambiente natural no fundo do oceano.

“O que este estudo mostra é que pode haver um valor real em fazer isso e devemos começar a fazer estudos-piloto para investigar”, afirmou Andrew Baker, professor associado de biologia marinha e ecologia da Universidade de Miami Rosentiel Escola de Ciências Marinhas e Atmosféricas.

Baker, que não esteve envolvido no estudo, chamou o trabalho de “muito promissor” e disse que ele apresenta uma nova abordagem para a restauração dos corais que deveria ser uma benção para os esforços conservacionistas.

“O que é interessante sobre este estudo é que é a primeira vez que as pessoas cruzaram corais de diferentes regimes térmicos criados – neste caso diferentes latitudes – e olharam para a hereditariedade da tolerância térmica, que é, obviamente, uma grande questão em termos de descobrir se e como os corais vão se adaptar à mudança do clima no próximo século”, explicou ele à AFP.

“Isso nos permite não ficar apenas sentados e esperar para ver o que acontece”, acrescentou.

“Se você sabe ou tem uma ideia de como os oceanos vão se aquecer em uma determinada área você pode considerar levar um corais localmente adaptado ao calor de uma área para outra que é um pouco mais fria”.

Fonte: Terra

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°