Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 13/01/16

Os maiores icebergs que se rompem na Antártida, inesperadamente ajudam a retardar o aquecimento global já que eles se derretem no gélido oceano austral, afirmou um grupo de cientistas na segunda-feira (11).

Os raros icebergs do tamanho de Manhattan, que podem se tornar mais frequentes nas próximas décadas devido às mudanças climáticas, liberam um grande rastro de ferro e outros nutrientes que agem como fertilizantes para as algas e outros organismos semelhantes a minúsculas plantas no oceano.

À medida que crescem, vão extraindo o dióxido de carbono da atmosfera, um aliado natural dos esforços humanos para limitar o ritmo da mudança climática, causada pelas emissões de gases do efeito estufa.

O oceano floresce na esteira de icebergs gigantes da Antártida que absorvem de 10 a 40 milhões de toneladas de carbono por ano, estima o estudo, mais ou menos o equivalente às emissões anuais de gases de efeito de estufa pelo homem em países como a Suécia ou a Nova Zelândia.

Até agora, o impacto da fertilização do oceano a partir do fim de icebergs gigantes, definido como pedaços de gelo flutuantes a mais de 10 milhas náuticas (18 quilômetros) ou quase o tamanho de Manhattan, era considerado pequeno e localizado.

“Ficamos muito surpresos ao descobrir que o impacto pode se estender até 1.000 quilômetros”, dos icebergs, disse o professor Grant Bigg, da Universidade de Sheffield, um dos autores do estudo publicado na revista Nature Geoscience, à Reuters.

Os cientistas estudaram imagens de satélite de 17 icebergs gigantes da Antártida no período entre 2003 e 2013 e descobriram que as algas poderiam esverdear a água por até centenas de quilômetros em torno dos icebergs, com nutrientes espalhados pelos ventos e pelas correntes.

Existem 30 icebergs gigantes flutuando ao longo da Antártida – eles podem durar anos. O estudo mostra que os icebergs gigantes tiveram um impacto desproporcional em promover a fertilização do oceano quando comparados com pequenos icebergs.

Fonte: UOL

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°