Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 11/02/16

A Agência Espacial Europeia (ESA) alertou nesta quarta-feira que as barreiras de gelo que rodeiam a Antártida, que atuam como um dique de segurança, estreitaram e em alguns casos desapareceram, o que pode contribuir para elevar o nível do mar.

O tamanho dessas barreiras pode ser imenso, afirma a ESA em seu comunicado, no qual precisa que a maior delas, a de Ross, ocupa uma superfície quase equivalente à Espanha e está centenas de metros acima do nível do mar.

A pesquisa usou dados de velocidade de movimento do gelo obtidos por satélites como o Envisat e destaca que nos últimos 20 anos muitas das barreiras mais setentrionais se estreitaram e, em alguns casos, desapareceram em forma de icebergs.

Essas barreiras, segundo o organismo, estão conectadas com as geleiras e as correntes de gelo em terra firme, por isso que desempenham um importante papel como muros de contenção do gelo que se desloca rumo ao mar.

Cerca de 13% da zona total ocupada por esses diques contêm a chamada barreira “passiva”, que não exerce nenhuma contenção adicional, mas após esta se encontra a “faixa de segurança”, que controla esses fluxos.

“Se for perdida uma barreira de gelo, o fluxo das geleiras localizados após elas pode se acelerar, o que produziria um aumento do nível do mar”, adverte a ESA.

A modo de exemplo, aponta-se que quase imediatamente depois que a barreira Larsen B se fragmentou em 2002, o gelo desprendido ao mar supôs em torno de 5% da perda total de gelo da Groenlândia nesse momento.

O estudo, divulgado na revista Nature Climate Change , alerta que algumas zonas têm uma quantidade inexistente ou muito limitada de barreira passiva, “por isso que um maior retrocesso das frentes das barreiras atuais desencadearia sérias consequências dinâmicas”.

Ao contrário, afirma que outras como a barreira de Larsen C no Mar de Weddell (no oceano Atlântico sul na Antártida) apresenta uma extensa superfície frontal passiva, “o que sugere que o desprendimento iminente de um iceberg tabular de grande tamanho não tem muitas possibilidades de provocar uma mudança substancial”.

Esta descoberta, segundo a ESA, ajudará a melhorar o prognóstico do fluxo de gelo procedente da Antártida, porque os destinos das camadas de gelo (indlandsis) expostas ao aquecimento climático “estão claramente vinculado em termos dinâmicos” às mudanças das barreiras flutuantes.

Fonte: Terra

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°