Newsletter LARUS: Para receber o newsletter do instituto Larus, preencha os campos ao lado.  
   

Olá Amigos e Amigas do Larus......     É muito bom registrar suas visitas em nosso Site.                         Ajudem-nos a aprimorar este site, enviando sugestões e comentários......                  Aproveitem para ler notícias e artigos.....             É preciso conhecer a Natureza para defender a Vida, porque....  Ninguém Preserva o que não Conhece.  

 
     
 
»  - 06/05/16

As estrelas-do-mar começaram a se recuperar após uma extinção massiva causada por um vírus ao longo da costa dos Estados Unidos em 2013 e 2014, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (4) na revista científica PLOS ONE.

O surto que fez as estrelas-do-mar derreterem e morrerem afetou 20 espécies diferentes, desde a Baixa Califórnia, no México, até o Alasca, tornando-se “uma das maiores epidemias em um ecossistema marinho registrada na história”, afirmam os pesquisadores.

A doença atingiu com força o estado do Oregon em abril de 2014, e se espalhou ao longo de grande parte da costa até junho, infectando cerca de 90% das estrelas-do-mar, segundo o estudo liderado por Bruce Menge, da Universidade Estadual do Oregon.

Os pesquisadores rastrearam o surto, realizando cerca de 150 mapeamentos de habitats rochosos entremarés (zonas do litoral que ficam expostas quando a maré está baixa) em nove locais ao longo da costa do Oregon entre a primavera de 2014 e o outono de 2015.

Eles descobriram que cerca de 80% das populações morreram nos locais estudados.

A epidemia se instalou em zonas de águas geladas e afetou desproporcionadamente estrelas-do-mar adultas e espécies que viviam em poças de maré (poças que se formam entre as rochas próximas à orla quando a maré está baixa), de acordo com o relatório.

Por volta da primavera de 2015, a população da estrelas-do-mar começou a se recuperar rapidamente.

“Locais estudados tinham até 300 vezes mais novas estrelas-do-mar do que em 2014″, disse o relatório.

“Essa recuperação pode ter acontecido devido ao aumento da disponibilidade de presas pequenas, como mexilhões, resultante da perda das estrelas-do-mar do ano anterior”, afirma o estudo.

Fonte: UOL

Voltar
 
Jul 2016, 21
Jul 2016, 14
Jul 2016, 13
Mai 2016, 06
Fev 2016, 11
[+] mais artigos
 
home  |  o larus  |  notícias  |  artigos e publicações  |  projetos  |  contato
Copyright 2007 © Instituto Larus - Todos os direitos reservados.
Design & Code: Floripa 360°